• (11) 3312-5299
SINDICATO DOS TRABALHADORES DA PRODUÇÃO, TRANSPORTE, INSTALAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DE GÁS CANALIZADO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Comgás quer precarizar até o atendimento à saúde do trabalhador Vamos reagir: não às mudanças do plano de saúde!

18/12/2018
Nas assembleias informativas realizadas na terça, 11, a direção do Sindgasista se deparou com um clima de revolta dos trabalhadores com as mudanças que a Comgás quer efetuar no plano de saúde.
 
Tais mudanças apenas comunicadas, que pretende fazer unilateralmente, em flagrante desconsideração e desrespeito com os trabalhadores e sem discussão com o sindicato, configuram-se como quebra do Acordo Coletivo de Trabalho.
 
Para dar essa sinistra notícia, a empresa convocou uma reunião na Figueira, da qual os trabalhadores saíram cheios de dúvidas e de indignação. Os que se arrojaram a fazer questionamentos estão com medo de serem punidos ou de sofrerem retaliações pela “ousadia”, pois é o que se comenta à boca pequena nos locais de trabalho. Os que ingressaram recentemente na empresa, foram contratados com uma cesta de benefícios que mudou de uma hora para outra.
 
Pelo novo plano da Comgás, a partir de janeiro de 2019, os trabalhadores terão de pagar por alguns procedimentos. Quem mora fora de São Paulo, caso sofra alguma emergência, terá de se deslocar para a capital para receber atendimento? Se for a um pronto-socorro em sua cidade, terá de arcar com os custos? É um plano irracional e, em resumo, a empresa quer precarizar o atendimento à saúde do trabalhador.
 
A saúde é um bem que se coloca acima de quaisquer outras preocupações. O trabalhador  depende de sua saúde física e mental para produzir e a empresa é beneficiária do nosso trabalho. Portanto, é um absurdo que os administradores da Comgás não se apercebam disso e, talvez, pela economia de alguns tostões, coloquem em risco a saúde e a vida dos trabalhadores.
 
Assim como lutamos pelo nosso Acordo Coletivo, não podemos aceitar que em pleno século 21, tenhamos que engolir esse retrocesso em um item que é imprescindível para todos nós. Precisamos reagir, nos mobilizar e colocarmo-nos contra essa medida absurda da Comgás.
 
Os atuais controladores não podem agir como se a empresa lhes pertencesse. Eles não são donos, são apenas concessionários. Quando chegaram, os trabalhadores já estavam e existe uma tradição de respeito e melhoria permanente das condições de trabalho que não deve ser quebrada, mas por várias vezes esteve ameaçada pelos atuais controladores.
 
Por isso, não podemos aceitar que a empresa simplesmente, sem discussão com o sindicato e com os trabalhadores, faça mudanças que nos prejudiquem dessa forma. É preciso que transformemos a nossa indignação em luta concreta. Não podemos aceitar essa mudança!
 
O Sindgasista já se reuniu com o Departamento Jurídico para definir a estratégia institucional de combate a essa medida. Mas, acima de tudo, é com a nossa mobilização e resistência que poderá barrar essa mudança em nossos benefícios, no caso o plano de saúde.
 
Negociações reabertas Comgás precisa avançar no atendimento de nossas reivindicações
 
A mudança do plano de saúde foi um problema que surgiu e foi discutido nas assembleias informativas, mas seu objetivo inicial era a discussão dos últimos lances da campanha salarial Comgás 2018. Em todos os locais de trabalho houve boa participação dos trabalhadores que continuam unidos ao sindicato na reivindicação de prorrogação do Acordo Coletivo de Trabalho.
O Sindgasista deu informações mais detalhadas a respeito das Reuniões Pré Processuais ocorridas no Tribunal Regional do Trabalho (TRT), onde o desembargador mediador
apresentou uma proposta conciliatória que poderia ser sanado o impasse.
 
A Comgás recusou a proposta sob o argumento de que não havia necessidade de mediação, já que as partes poderiam continuar negociando. Diante disso, o Sindgasista propôs uma reunião
para retomada das negociações para o dia 12, que não aconteceu, pois a Comgás alegou falta de agenda. Mas foi marcada a data de 18/12, terça-feira, às 14h30, na sede do Sindgasista para nova negociação. A reunião é aberta a todos os trabalhadores que puderem comparecer e acompanhar as discussões. Ficaram pré-reservadas as datas de 19 e 20 para novas rodadas de negociações, caso haja essa necessidade.
 
Lembramos que estão na mesa duas propostas do Sindgasista. A primeira: 1,8% com a prorrogação do Acordo Coletivo; e a segunda que consiste de reajuste salarial e dos itens econômicos de 2,86% (IPCA do período), mais 1% a título de aumento real. Essa reivindicação foi construída como alternativa à negativa da Comgás de prorrogar o Acordo Coletivo de Trabalho até 2019.
 
Até o momento, a empresa ofereceu apenas 1,8% de reajuste, devidamente rejeitado pela nossa bancada em mesa de negociação. Portanto, se a empresa se propõe a voltar a negociar, precisa avançar e atender as reivindicações dos gasistas. O Sindgasista está aberto e espera que já no dia 18 a empresa compareça com vontade real de fechar um bom acordo que atenda aos anseios dos trabalhadores/as.
 
Vamos nos manter atentos e mobilizados. O Sindgasista manterá todos/as atualizados/as. Estejamos prontos/as para intensificar a mobilização rumo a uma paralisação, como forma de sensibilizarmos a empresa, conquistarmos a prorrogação do ACT e o reajuste salarial.
 
  Voltar
X
RECUPERAÇÃO DE SENHA
E-mail:
Preencha o campo acima com seu e-mail de cadastro para receber uma nova senha.
Ok