• (11) 3312-5299
SINDICATO DOS TRABALHADORES DA PRODUÇÃO, TRANSPORTE, INSTALAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DE GÁS CANALIZADO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Dilma deixa Planalto, mas não a luta pela democracia

12/05/2016
Quando se aproximou da grade que separava o governo deposto do povo, a presidenta eleita Dilma Rousseff viu braços abertos e gritos de “força” e “estamos com você” de quem trazia no rosto suado a indignação diante do golpe.

Após ser recebida dentro do Palácio do Planalto pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e por lideranças dos movimentos sindical e sociais, a presidenta fez um breve discurso ao lado de ministros e parlamentares para mais de 15 mil pessoas.

Diante delas, lembrou que enfrentar golpes e a injustiça faz parte de sua história. “Ao longo da minha vida, eu, da mesma forma que todas as mulheres, sempre enfrentei desafios. Enfrentei o desafio da tortura e do combate à ditadura. Enfrente a dor invisível da doença. Mas o que mais dói é essa situação que vivo agora, a inominável dor da injustiça e da traição”, falou.

A presidenta eleita ressaltou, porém, que não abandonará a defesa do mandato dado por mais de 54 milhões de brasileiros e brasileiras. “Nesse momento em que as forças da injustiça e da traição estão soltas por aí, estou pronta para resistir”, garantiu

O alvo é o povo

Dilma relembrou que o suposto crime pelo qual foi afastada, as chamadas ‘pedalas fiscais’, eram ações rotineiras em governos que a antecederam e isso não gerou afastamento de outros presidentes.

Também destacou mais uma vez que o golpe é o resultado da recusa do PT em defender o ex-presidente da Câmara dos Deputados e réu na Operação Lava Jato, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), no Conselho de Ética da Casa.

A presidenta eleita alertou ainda os brasileiros de que o impeahment nada mais é do que uma forma de combater as políticas que elevaram a renda dos mais pobres e da classe médica, colocaram jovens nas faculdades por meio de cotas, defenderam o pré-sal e fizeram virar realidade o sonho da casa própria via Minha Casa Minha Vida.

Conquistas que agora estão em risco sob a gestão do vice Michel Temer.”Quando falam em focar, reduzir, na verdade, querem dizer que vão diminuir até acabar com elas (políticas públicas.”

Dilma ressaltou também que os 180 dias em que ficará afastada até o impeachment ser julgado definitivamente pelo Senado servirão para defender um modelo de governo baseado na democracia.

“Agradeço a todas as pessoas que foram às ruas dar um não imenso ao golpe, que estão do lado certo da história. Somos aqueles que sabem como é a luta cotidiana e não desistem nunca.”

CUT pelos trabalhadores

Presente no ato, o presidente Nacional da CUT, Vagner Freitas, disse que esse é o momento mais perigoso para a classe trabalhadora desde a ditadura e que o cenário exigirá dos movimentos sindical e sociais a manutenção da unidade e da capacidade de se manterem nas ruas.

“Além do afastamento da presidenta legitimamente eleita, teremos agora o início de um governo que tem em seu DNA a retirada de direitos dos trabalhadores. Nossas conquistas nunca estiveram tão em risco como agora, por isso, nos próximos 180 dias, vamos fazer greves, manifestações e denunciar o golpe dentro e fora do Brasil. Para voltarmos à normalidade democrática e termos novamente um governo escolhido nas urnas por 54 milhões de eleitores”, apontou.

Fonte: CUT Brasil
  Voltar
X
RECUPERAÇÃO DE SENHA
E-mail:
Preencha o campo acima com seu e-mail de cadastro para receber uma nova senha.
Ok